Uma pesquisa recente conduzida pela Finder se propôs a encontrar estatísticas de propriedade, interesse e distribuição de sexo no mercado americano de criptomoedas. A pesquisa descobriu que 92 por cento da população americana não comprou criptomoedas e apenas oito por cento deles planejam investir no futuro. No entanto, há indicações de que a pesquisa do Finder não é uma representação muito precisa dos dados demográficos de criptomoedas nos EUA.

Quantos americanos possuem criptomoeda, quais criptomoedas as pessoas compraram, por que as pessoas escolheram a criptomoeda que compraram, a porcentagem de indivíduos que possuem criptomoeda por gênero, a proporção de cada geração que comprou criptomoeda e as razões pelas quais as pessoas não estão comprando criptomoedas?

Essas questões foram abordadas pelo Finder, que relatou que 5,15% dos proprietários de criptos eram donos da Bitcoin.

E que 29,99% das mulheres e 23,63% dos homens acreditam que a criptomoeda é complicada demais para ser entendida.

O que ainda falta

No entanto, os dados não representam com precisão a população americana. O pesquisador entrevistou apenas 2.001 adultos nos Estados Unidos, o que representa 0,0011% da população adulta, de acordo com o US Census Bureau.

Além disso, as análises que envolvem estatísticas geralmente pesam seus dadas multiplicando as descobertas por um fator para igualar o tamanho de toda a população, em vez do tamanho da população que foi amostrada. Os dados forneceriam uma representação mais precisa da demografia, o que não foi feito pela Finder.

Outras pesquisas recentes

Uma pesquisa conjunta da Global Blockchain Business e Survey Monkey usou o esquema de ponderação mencionado acima em uma pesquisa realizada em janeiro de 2018 e foi capaz de produzir estatísticas sobre a propriedade de criptomoedas e sentimentos da população americana com uma margem de erro de +/- dois por cento.

A pesquisa conjunta entrevistou 5.761 adultos nos Estados Unidos e descobriu que apenas cinco por cento possuem criptomoedas, 21 por cento dos entrevistados estavam “considerando adicionar criptomoeda a seus portfólios”, e 58 por cento dos detentores de criptomoedas eram homens brancos com menos de 34 anos.

Uma pesquisa de 2017 conduzida pela LENDEDU procurou descobrir o papel da criptomoeda na economia americana. No entanto, nos dados de LENDEDU, não há menção de que ele seja ponderado, portanto, não podemos esperar que os dados forneçam uma representação precisa da propriedade de criptomoedas nos EUA.

Fonte: Adaptado de CoinTelegraph

No entanto, somos capazes de examinar algumas das estatísticas da LENDEDU e limitá-las aos dados obtidos pela Finder. Deve-se mencionar que 1.000 indivíduos foram pesquisados ​​na pesquisa da LENDEDU, enquanto 2.001 indivíduos foram pesquisados ​​pela Finder.

A LENDEDU descobriu que, de 1.000 indivíduos pesquisados:

– 13,99 por cento possuem Bitcoin
– 17,18 por cento dos indivíduos planejam investir no Bitcoin no futuro.

Millenials e Geração X

Uma semelhança entre os resultados da pesquisa do Finder e a pesquisa da LENDEDU é que os Millenials são o maior grupo investido em criptomoeda seguido pela Geração X.

A pesquisa do Finder descobriu que entre aqueles que compraram criptomoeda, há:

– 17,21% dos Millenials pesquisados,
– 8,75% da Geração X pesquisada.

Proporção de pessoas entre cada geração que compraram criptomoedas

A pesquisa de LENDEDU descobriu que:

– 38,64% da Millenials e
– 32,54 por cento da Geração X entrevistados possuem ou possuem Bitcoin no passado.

Outra semelhança entre as estatísticas da pesquisa do Finder e a pesquisa da LENDEDU foi que mais homens do que mulheres possuem criptomoedas.

A pesquisa do Finder descobriu que:

– 11,86 por cento dos homens e
– 4,27 por cento das mulheres pesquisadas possuem criptomoeda.

E a pesquisa da LENDEDU descobriu que:

– 21,82% dos homens e
– 8,98% da população feminina pesquisada era proprietária da Bitcoin.

Aguardando uma pesquisa exemplar

Podemos esperar mais pesquisas e estudos a serem realizados sobre os diferentes sentimentos da população em relação a investimentos em criptomoedas, à medida que o mercado de criptomoedas continua a crescer em tamanho e popularidade. Mas, neste momento, há uma carência de dados que ofereçam estatísticas úteis sobre a propriedade de criptomoedas.

Em 2016, um estudo inacabado intitulado “Adoção e Uso de Bitcoins e Outras Moedas Virtuais dos Consumidores dos EUA”, conduzido por Scott Schuh do Federal Reserve Bank de Boston e Oz Shy, da MIT Sloan School of Management, relatou que “cerca de um por cento ou menos de consumidores dos EUA já possuíam (adotaram) moedas virtuais ”.

Os dados do relatório vêm do Survey of Consumer Payment Choice – uma pesquisa anual com 2.000 consumidores dos EUA que mede o número de crescimento de contas bancárias e outras transações financeiros, bem como o uso de instrumentos de pagamento, incluindo dinheiro.

No entanto, isso foi há quase dois anos, e as criptomoeda ganharam muita popularidade no segundo semestre de 2017. É difícil estimar um número mínimo e máximo de detentores de criptomoedas por meio de uma pesquisa. Mesmo se tivéssemos dados que nos informassem a quantidade total de endereços de carteira criptografada nos EUA, muitas pessoas esqueceram suas chaves privadas, perderam ou quebraram o hardware que armazenava seus fundos, se inscreveram para uma carteira, mas nunca depositaram fundos, ou possuem vários endereços de carteira.

Fontes

Finder: “Why haven’t we all bought cryptocurrency yet?”
LENDENDU: “Bitcoin’s Present (and Future) Role in the American Economy”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome