Um número crescente de empresas de conteúdo está proibindo a publicidade de criptomoedas, temendo danos à sua própria reputação se seus usuários forem enganados ou perderem dinheiro. Na terça-feira, o Twitter começou a bloquear anúncios envolvendo criptomoedas, tornando-se o mais recente gigante da internet a imitar os movimentos do Google e do Facebook no início deste ano.

Enquanto os reguladores aumentaram suas advertências sobre os riscos para os consumidores de investir em criptomoedas e o potencial de fraudes, na maioria das jurisdições eles estão apenas começando a discutir publicamente como eles podem regulamentar o setor, sem tocar no assunto publicidade.

Na semana passada, o grupo de nações do G20 não chegou a acordo sobre ações regulatórias específicas. Então as empresas estão tomando decisões por conta própria.

Se as empresas de internet já não estivessem sob pressão dos reguladores por perderem o controle da privacidade dos dados, elas provavelmente não proibiriam a publicidade de criptos, que ainda são uma área cinzenta para muitos reguladores, disse Arnaud Masset, analista de criptografia da Swissquote.

Em fevereiro, o Snapchat começou a remover anúncios de ICOs – que, segundo os reguladores, são pouco transparentes e suscetíveis a fraudes – disse um porta-voz à Reuters. A empresa se recusou a comentar se aumentaria a proibição para incluir criptomoedas, carteiras e exchanges não registradas, como outros gigantes da tecnologia fizeram.

O LinkedIn também está bloqueando anúncios relacionados à criptomoedas, disse um porta-voz, apesar de a Microsoft não permitir anúncios em outras plataformas.

Ao Redor do Mundo

Em toda a Ásia, onde as criptomoedas são muito mais populares, as empresas também estão restringindo a publicidade.

A China proibiu as exchanges de criptomoedas e as ICOs no ano passado. Baidu, Tencent e Weibo seguiram o exemplo ao restringir os anúncios pouco tempo depois.

Embora o governo e os reguladores do Japão tenham abraçado as criptomoedas como um fenômeno que está aqui para ficar, o sentimento foi atingido por um roubo de US $ 530 milhões em uma exchange em janeiro.

A propaganda na TV no horário nobre saiu do ar, os outdoors da rede de transporte de Tóquio foram cortados e as empresas online estão respondendo com mudanças em suas políticas de publicidade.

O Line, o site de mídia social mais popular do Japão e aplicativo de mensagens, não permite publicidade relacionada a criptomoedas. A política é projetada para proteger os clientes e evitar riscos legais, diz ele.

Enquanto isso, o órgão de fiscalização financeira do país pediu ao novo órgão de autorregulamentação da indústria de criptografia que elaborasse regras de publicidade. Ele não estipulou o que quer ver, mas é provável que as bolsas de valores japonesas não possam mencionar moedas específicas ao anunciar, enquanto as promoções de TV para ICOs podem ser totalmente proibidas, disse uma fonte familiarizada com o assunto à Reuters.

Um porta-voz do Yahoo Japan disse que o mecanismo de busca está revendo sua política à luz do ambiente em mutação.

O site de busca russo Yandex disse que não veiculou anúncios de criptomoedas por “muito tempo”.

Embora as empresas on-line estejam proibindo anúncios, há menos evidências de que as rotas tradicionais de publicidade estão sob ameaça.

O metrô de Londres está repleto de publicidade promovendo o comércio de criptomoedas. A Transport for London não respondeu a pedidos de comentários sobre sua política de publicidade.

A queda nos preços das moedas virtuais neste ano não abalou os investidores britânicos atraídos pelos anúncios. Um porta-voz da Advertising Standards Authority disse que até agora recebeu menos de 10 reclamações sobre anúncios criptográficos.

Pouco Impacto

Os reguladores estão relutantes em se apressar em impor regras sobre criptomoedas à medida que examinam os possíveis benefícios da tecnologia Blockchain que os sustenta.

Muitos analistas esperam que as políticas do Google e Facebook se adequem à publicidade de criptomoedas quando as autoridades fornecerem orientações sobre como as moedas virtuais e a infraestrutura ao seu redor serão tratadas.

Christie Dennehy-Neil, do Internet Advertising Bureau, órgão de comércio do Reino Unido, disse que as grandes plataformas on-line frequentemente introduzem políticas que fazem “um julgamento mais amplo” do que apenas o conteúdo do anúncio para protegerem sua reputação.

Os defensores das criptomoedas argumentam que as proibições terão pouco impacto.

Na China, que tentou acabar com o comércio de criptografia no ano passado, investir no setor continua sendo popular.

Além disso, enquanto as promoções no Twitter e no Facebook podem atrair novos compradores, as conversas dos investidores mudaram para outras plataformas e salas de bate-papo onde a publicidade ainda é permitida ou onde as informações sobre novas moedas são divulgadas de boca a boca.

O preço do bitcoin caiu fortemente após o anúncio de proibição de anúncios no Facebook, mas a reação a movimentos semelhantes do Google e do Twitter desde então foi silenciada.

“O interesse em criptomoedas e ICOs continua inalterado mesmo na China”, disse Zennon Kapron, da consultoria financeira Kapronasia, de Xangai.

A natureza descentralizada das moedas criptografadas e dos investidores significa que é relativamente simples acessar informações e investir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome